quarta-feira, 16 de março de 2011

Amiga poesia eu te quero como irmã,
Irmã não, prima. Primeiro quero te dizer que sem mais nem menos só amor tenho por você. Quero mais um pouco. Que me acorde nas manhãs de pouco sol e brilhe para mim um risinho de namorada, um beijozinho no pescoço... Quero que você seja minha amante e depois para mim e para todos: CANTE. Que todos os seres possam acordar com a realeza do teu som. Que todos os seres possam gozar da água e depois na fonte da tua Alegria Suprema. Ó poesia, eu que nem sei ser poeta daqueles que fazem verso com toda técnica, Ó poesia eu que fico escondido atrás destas palavras só te peço a última coisa, seja você eu mesmo em qualquer momento de gozo ou sangue, porque o caos esta demais e o prazer por si só não pode me realizar. Vem poesia, todo dia vamos CANTAR E DANÇAR. E seriamente brincar de equanimidade na gangorra deste mundo.

3 comentários:

Lígia Aggio disse...

"seriamente brincar de equanimidade na gangorra desse mundo" foi ótimo, poeta

lindo, lindo

sempre com suas imagens, formas, cores, sons e tons palpáveis, penetráveis, preenchedores....... estava com saudades de te ler assim... que bom que os tempos voltam e podemos reencontrar irmãos-de-sangue-poético

amo a poesia, amo a ti, irmão de lindeza vibrante

deixo aqui minha paixão por ela... que ela seja minha amada: sendo a um só tempo minha mãe, minha filha, minha irmã, minha amiga e minha amante

poesia, minha vida

Raphael Lima disse...

ai que bonito!
gratidão amigas!

Ligia e Poesia.

Um brasileiro disse...

Oi. Estive or aqui dando uma olhada. Tudo blz? Muito legal. Gostei. Apareça por la. Abraços.