terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Pra ser Feliz (Outra Vez)




Pra ser feliz outra vez,

A matemática deve por inteiro se prostituir,

Infinitamente adicionar, multiplicar os gozos,

Para não mais me subtrair, tampouco dividir.


Pra ser feliz outra vez,

O Nada deve se entregar ao Tudo,

Numa dança rumo a lugar nenhum,

Como num Frevo em disparate ao anoitecer.


Pra ser feliz outra vez,

Devo acreditar nas mentiras doces de anteontem,

Fazer tudo o que não fiz por desacreditar,

Dizer tudo o que não disse pelo medo de errar.


Pra ser feliz, devo prostituir o Tudo,

Entregar-me ao Nada ao anoitecer,

Dançando um Frevo com a Matemática da Vida,


Que, por mais que aos trancos erremos à revelia,

Há sempre tempo de recomeçar essa sinfonia,

Somando, multiplicando nos infinitos de sabedoria.

12/01/2010



Em homenagem-resposta ao texto de Isabela em 6 de Janeiro de 2010. 2010 tem muito para aconteSER!

3 comentários:

Bela disse...

Oh Victor!!

Adorei o poema!!!em especial o trecho:

"Dançando um Frevo com a Matemática da Vida
Que, por mais que aos trancos erremos à revelia,
Há sempre tempo de recomeçar essa sinfonia,
Somando, multiplicando nos infinitos de sabedoria"

Adorei a junção entre a linguagem matemática e a poesia!!!

=D

Victor Jabbour disse...

Bela!
Obrigado!!
Achei que seu desabafo naquele texto hvia sido meio triste, meio que uma decepção em relação a como as coisas andam acontecendo no mundo.

Não posso dizer que não é verdade, mas cabe a nós fazer a diferença e recriarmos um espaço melhor para vivermos todo dia.

E que essa seja nossa tarefa em 2010!

Bjoss!

Bela disse...

Vitor, anda muito sumido do blog!!!

saudades dos seus textos!!! =)

"se puder me manda uma noticia boa"

rs