quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O Gråo do Tempo sobre mim

Assim o tempo vai se indo, a pelo menos duas primaveras o Grão do Tempo está plantando e colhendo frutos e frutas boas, nem sempre doces, tipo limão, maracujá e tal... Paixões, Alegrias e outras coisas que nem sei falar correm por aqui e por lá onde o Grão quer tocar é por ali que o meu coração batuca e as minhas pendências vão se aproximando do Carnaval. Como eu estou cheio de gratidão por ter conseguido criar junto a algumas pessoas um espaço onde por mais de 365 dias ficou em pé, ou em verdade, foi se enraizando geletinosamente nas substâncias das ideias e das coisas que geram ideias e das coisas que valem a pena falar ou calar... E o tempo vai se indo que tanto vai que nesse sábado dia 12/12/2009 completarei, 28x365, esperaí vou fazer o cálculo................................... 10.200 dias aproximadamente que estou a transitar neste mundo. Engraçado, fico pensando como eu era quando criança... Dai me lembro que eu adorava ficar sozinho nos cantos contando histórias que eu inventavam e que s'inventavam em mim. E também eu adorava ficar olhando para um ponto só perdido no espaço durante muito tempo sabe? Parece que eu esquecia de tudo e acabava brincando de sumir de mim mesmo. Hoje em dia tenho muitas vontades de sumir de mim mesmo, não de maneira negativa, mas de uma maneira que eu apenas viva com uma intensidade tão grande que não caiba no meu, no meu, meu... meu jeito que eu acho que eu sou... Entende? Parece melhor saber sumir sabe? Entender que a vida é uma outra coisa mesmo e não dá para encaixa-la em nada que eu planeje, Ela sempre transborda e eu fico achando que o meu copo é pequeno...
Este momento onde escrevo escapa de mim e só sei escrever nestes momentos onde o rascunho e a sintese se tornam um palimpsesto perfeito e geometra. Aparentemente esqueço de acreditar nas coisas que mais acredito em verdade e tudo se escapa mais ainda de mim e queria escrever coisas simples e que marcassem um tempo, tipo música que marca uma geração, mas como sabem todos aqueles que já me ouviram cantar sou desafinado, ra ra ra ra! E isso na verdade é uma questão de prática né, se eu me dedicar ao canto posso me afinar e tal, mas tanto faz, dentro de mim sempre estão nascendo canções afinadinhas sabe? Eu sei. Eu ouço tanta música na minha cabeça que tenho até agonias de enrrugar a testa e o coração... Acho que estou sempre apaixonando-me por alguma coisa ou por pessoas porque sou tão carente de mim mesmo que qualquer pessoa que se aproxime eu já me deixo se assaltado ou me entrego, isso é tão bom e tão ruim que eu nem te digo e finjo que é tudo mentira que estou escrevendo e é mesmo, estou inventando um personagem, se chama Augusto Valente e ele é de outro signo, acho que de peixes com ascendência em libra e totalmente diferente de mim.
Mas pouco importa a minha verborragia o tempo marca e seleciona o corpo da gente e as coisas vão ficando diferente dentro do nosso olhar... Sinto saudades de brincar sem pensar na segunda-feira que assovia uma porção de obrigações e metas... Mas na verdade gosto das coisas que me obrigo a fazer, sábado no dia do meu aniversário vou trabalhar de palhaço e isso para mim é maravilhoso e na segunda-feira me dei um presente e vou acompanhado de uma pessoa só, muito especial pra mim, assistir a uma peça de teatro chamada A Alma Imoral e depois vou querer ficar bem sozinho e ficar olhando pra um cantinho dentro de mim que fica sussurando necessidades iminentes... Enfim, se alma passa de um corpo para o outro eu não sei, porque essa sensação de ter vivido 10mil dias não vai se repetir nesse espaço de tempo, ou vai, no infinito de possibilidades... ra ra ra! Pouco importa pra mim, estou escrevendo o que sobe do peito e nem vou revisar este texto nem em erros nem em acertos... Sei lá! Estou tão feliz e estranho que a cabeça se mistura com o fogo das caldeiras dos meus rins e sei lá mais o que e que mais sei lá... Continuo a buscar a Alegria Suprema na bem aventurança de cada instante de tempo VERDADEIRO... Vida longa ao Grão do Tempo e muitas primaveras para mim e para todos que conseguiram me le até aqui e para aqueles e aquelas que jamais me lerão... Beijos e no dia do meu aniversário vou ficar na casa de minha mãe celestial Clelia de Souza Araujo Lima Linda e Maravilhosa. E lá se Deus quiser tb estarão meu irmão amado e querido Rodolfo, teu filho e meu melhor amigo Lucas e meu tio PAI Claudio, o Marron. E no que hå de mais íntimo em mim de alma e tudo mais louvo a minha VÓ Cynira Marcondes de Souza, quem me criou e me ensinou que a vida sempre haverá um tempo certo para dançarmos... Com carinho e cheio de mais Alegria parto aqui para me inteirar de novas realidades e vou redigir uma dissertação antes de dormir e me encher de ideias boas para a Vida nova que acabou de nascer em-mim sem fim...

Amor!

3 comentários:

Victor Jabbour disse...

Rapha, amigo! O grão exerce sobre nós o melhor que podemos ser. Os encontros foram poucos, mas a sintonia, imensa. Agradeço sempre pela chance, pela cumplicidade e tudo o mais! No teu aniversário, apenas o melhor, porque todo o resto é pouco! E vamos nessa ciranda louca, sempre adiante!

Grande abrax!

Raphael de Souza Araujo Lima disse...

Adiante pra ver si adianta né?

Adiante para vermos que adianta sim!

A dia nte porque hoje é novo dia e novas coisas querem sempre nascer na gente que se entrega...

Abraço e Paz!

Vamos que sempre haverá mais!

Ra ra ra! Que hoje acordei de bom humor... Nem o capeta me segura! Re RE ré!

Lígia Aggio disse...

Amor, Raphael Lispector! Amor.