segunda-feira, 8 de junho de 2009

Conform(e a)idade


De pazes com a vida, ando vazio de argumentos
Pensamentos movidos a vácuo.
Desejos “diet” e “light” preenchem de aspartame indolor,
Os estáticos do dia-a-dia.
As árvores e pássaros são contratados,
“Batem ponto”, religiosamente.
E o tempo vertiginosamente nos degola os vícios,
Impõe-nos sol, ar e poeira artificiais,
Enquanto digito impessoalidades formais,
De nosso dúbio e desconexo parecer.
“Faltam vinte!” – grita alguém ao alvorecer.
Vinte para quê? – se ainda falta-nos tanto para aconte(ser)?

6 comentários:

ligia.aggio disse...

=)

muito bom

=)

Josa disse...

na festa de meu aniversário de 18 anos...

- tá ficando velho hein josa?

q pressa é essa? oh, loco.

abs victor.

Victor Jabbour disse...

Resta sempre esta dúvida: Nós é que ficamos velhos ou os outros é que nos envelhecem prematuramente?

Culpa de um ou de outros, a força pra sair desse impasse depende de nós.

Sem paranoias e se gravtas douradas, Josa!

Ligia: muito obrigado!

Bjoss e abrax!

Rapha disse...

noooooooooossaaa!
valeu.

Tonin disse...

Desejos "diet" e "light"...
He, he, he... Sensacional!

ah, e aplausos para o detalhe: aconte(ser)

Victor Jabbour disse...

Gracias!