quarta-feira, 24 de março de 2010



Quando está frio no tempo do frio, para mim é como se estivesse agradável,
Porque para o meu ser adequado à existência das cousas
O natural é o agradável só por ser natural.
Aceito as dificuldades da vida porque são o destino,
Como aceito o frio excessivo no alto do inverno -
Calmamente, sem me queixar, como quem meramente aceita,
E econtra uma alegria no fato de aceitar -
No fato sublimente científico e difícil de aceitar o natural inevitável.

Que são para mim as doenças que tenho e o mal que me acontece
Senão o inverno da minha pessoa e da minha vida?
O inverno irregular, cujas leis de aparecimento desconheço,
Mas que existe pra mim em virtude da mesma fatalidade sublime,
Da mesma inevitável exterioridade a mim,
Que o calor da terra no alto do verão
E o frio da terra no cimo do inverno.

Aceito por personalidade.
Nasci sujeito como os outro a erros e defeitos,
Mas nunca ao erro de querer compreender demais,
Nunca ao erro de querer compreender só com a inteligência,
Nunca ao defeito de exigir do mundo
Que fosse qualquer cousa que não fosse o mundo.

Alberto Caeiro


nico - "winter song"


4 comentários:

Raphael de Souza Araujo Lima disse...

SALVE!

LIBERTO-ME!


AAAAAA QUE GOZO!

PAZ e GRATIDÃO!

Raphael de Souza Araujo Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Helena Erthal disse...

Que delícia poder ler alguma coisa do "Caeiro" que ainda não conhecia! Fantástica sabedoria, palavras tão bem colocadas com uma sutil humildade...
beijos

Josa disse...

querida,

bom te ver por aqui. ouçe a canção invernal também..

bj