segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

2009: um ano de desafios claros (e outros nem tanto assim)

Dentro da minha concepção, 2009 tinha tudo para ser tão monótomo e pouco envolvente como 2008. O ano de 2008 foi assim, até onde consigo avaliar, pelo fim da faculdade. Você quebra uma rotina imensa, que vem sendo repetida desde que você se entende por gente, de estudar, ter provas, ter colegas de sala, amigos, enfim, todo aquele ecossistema típico da área acadêmica.

Como num passe de mágica, as aulas terminam. Puf! Sem avaliações, sem o risco de exames, sem cabular aula, sem discussões no pátio, as risadas típicas no fim do dia. É certo que muita coisa nova há por vir, só que o ambiente de trabalho em si é cercado por muito mais mentiras, por encenações, por mimetizações tolas e amestramentos convenientes. Na faculdade não se ganha nada. Pelo contrário, só se gasta (se for particular, óbvio). Só que a chance de se manifestar livremente, com mais desapego e menos regras me pegou de surpresa.

Fui efetivado em um emprego onde justamente tudo isso estava (e está) em falta: liberdade, desapego. A única coisa que não anda em alta são os milhões de regras e infindáveis protocolos de condutas e comportamentos. Uma espécie de manual para adestrar funcionários à amarga e desoladora viagem que é o dia-a-dia em um escritório onde o desagrado e o descontentamento correm soltos.

2009 tinha tudo para ser isso e tão somente isso, como a continuação infame daquele filme de 5ª categoria. E não foi. Miraculosamente, passou longe disso.

Foi sofrido, exigiu uma série de reformulações e reinvenções, mas no final, veja bem, dá até orgulho de fazer retrospectiva e notar o quanto algumas questões foram trabalhadas e melhoradas. Ainda há muito que fazer, ainda há muito que semear. Mas quem se importa?

Todos nós precisamos de dificuldades, mas de dificuldades que se movam, que se transmutem para melhor, dentro do melhor que podemos ser. Está aí o verdadeiro segredo que ninguém explica. O homem, do modo como está habituado hoje, foge de tudo quanto é tipo de problema. O foco na vida fácil, cor-de-rosa e moribunda é visto no modo como as crises se arrastam, como as multidões se entregam aos vícios, à libertinagem desmedida. O problema não é liberar ou legalizar. O problema é entender o porquê um cidadão sente a necessidade incontrolável de se entregar às ilusões sem volta das drogas, por exemplo. Isso é o que deve ser estudado e muito bem trabalhado.

Queremos o sucesso, mas o sucesso merecido. Nada de trapaças, de pisadas na cabeça ou situações ultrajantes. Apenas caminhar dentro daquilo que nossas intuições nos dizem e alcançar resultados que correspondam a isso. A cada ação, uma reação de força correspondente, condizente com o quanto nos dedicamos à realização da empreitada.

E 2010 tem que ser mágico! Deve ser interpretado como o melhor, como o decisivo, como o mais importante para sermos tudo aquilo que quisermos ser. E nunca deixarmos de agradecer pelo o que já foi, pelo que é e pelo que ainda haverá de ser.

Por que no fim, o importante é SER, aconteSER e mereSER cada segundo deste 2010.

Obrigado ao Grão, obrigado a cada integrante desse microcosmo que em 2009 simplesmente fez toda a diferença! E para aqueles de fora que apreciam e incentivam a cada palavra escrita.

A 2009, meus sinceros cumprimentos e agradecimentos pelo aprendizado mais que valoroso. A 2010, digo que pode entrar. A porta já está aberta!

Paz!

3 comentários:

Raphael de Souza Araujo Lima disse...

Paz!
Aqui é tua casa, agora e sempre!

Mais PAZ!

Bom 2010 e Alegria!

Bela disse...

Rafael, que texto mais lindo! Com certeza seu 2009 foi um ano cheio de desafios, mais ou menos como foi para mim: fim de faculdade, começo da vida profissional, medos e anseios. Mas o que mais valeu a pena para mim foi a capacidade de reinventar minha vida: algo que no começo considerei uma perda me fez repensar e dar mais valor ao presente. E tomei a decisão de em 2010 viver aquilo que temos de mais precioso: o presente.

Que seu ano de 2010 seja incrível e doce!!!

Lígia Aggio disse...

Belo texto, meu caro
Bela reflexão, Bela

nessa conexão toda com essas viagens mais do que necessárias e conscientes, convido-te para colocar um Tarô Zen do Osho... não para saber de 2010, mas para saber do JÁ! Já que é isso que temos a fazer aqui

para 2010 e para ti, as portas estão abertas

fica o convite

ABRAX MAX!

paz eterna