terça-feira, 25 de novembro de 2008

AQUI

Apertado. No centro mais denso de uma pedra dentro do esgoto para onde escorre todo o sangue podre inserido em nossas excreções com um pouco de adubo para as flores mais resistentes. Lá, eu quero me esconder de todos os sorrisos cinzas que contornam como uma membrana todo o pus do mundo. Estando no centro de uma pedra estarei tão firme e compacto que eu sinto ser possível que depois de décadas eu farei qualquer milagre acontecer só abrindo a boca para falar. Dá pra entender? Enquanto observo os ossos do meu almoço fico fritando essas idéias uma por uma e ganho mais apetite.

2 comentários:

Cassandra Mello disse...

Ah, senhor Raphael, então achei os seus escritos.

palavras poderosas, estas.

Rapha disse...

Valeu senhora Cassandra!
vamos nos conectando no astral tecnológico sutil da inter-humananet.